segunda-feira, 22 de junho de 2009

MENINO DE TODAS AS CORES

Olha a pomba que esvoaça
Naquele lindo pombal...
É como nuvem que passa
Que não escolheu a raça,
Num mundo feito desgraça
O Menino universal.

Olha a criança faminta,
Sofrendo fomes, horrores
Menino, embora eu sinta
Que és a mais bela das flores
O mundo é que te pinta...
Menino de todas as cores!

São papoulas coloridas,
Numa seara sem pão
São dourados como o ouro,
Lindas espigas vestidas
Que guardo como tesouro
Dentro do meu coração!

Menino que Deus te deu
A cor escura do breu
No Universo soberano
No céu há estreals belas
Menino, és uma delas
Ó Meu Menino Africano!

Menino, que pátria a tua?
Se não agarras a Lua...
Nem o Sol com a peneira
Que importa a cor vermelha,
Que à fogueira se assemelha?
És calor duma lareira!

Menino de todas as raças
Menino que tento passas
que a minha alma te enleias
Negro, vermelho, castanho...
Eu pertenço ao teu rebanho,
Tenho teu sangue nas veias!

1 comentário:

fatima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.