quinta-feira, 9 de julho de 2009

PRÉMIO INTERNACIONAL DE POESIA

AO POETA QUE AMOU O MAR DA SUA TERRA,
TAL COMO EU AMO O MEU MAR

MAR INFINITO, este mar que me rodeia… a toda a hora me persegue

e me leva a rotas indefinidas, horizontes sem limites, porque a minha
poesia é mar, nascida nas ondas, envolta em algas verdes e redes de
corais da minha fantasia… e o sonho faz-me percorrer ao sabor das
marés, no seu vai vai-vem continuo, incessante. As ondas ninguém
as pode segurar, ninguém as detém… e eu vou com elas, por esse
mar infinito, que me abre as portas da alma...
2º PREMIO - POESIA CLÁSSICA - MEDALHA DE PRATA

ATRIBUIDO PELA ACADEMIA SANTISTA DE LETRAS

CASA DE MARTINS FONTES


SANTOS – SÃO PAULO – BRASIL


PRISIONEIRO DAS ONDAS

O mar foi o teu berço embalador
Aprisionaste as ondas uma a uma
E a poesia rendilhada de espuma
Beijando a linda pauta desse amor!

A carícia que afaga o escritor…
Nesse mar que no peito se avoluma
Tão suave, tão leve… como a pluma
Exalando o perfume duma flor!

Na barca do amor, junto ao convés…
Exalando o perfume das marés,
Erguendo o seu mais nobre pedestal

Quero louvar-te em teu aniversário
Porque do mar fizeste o relicário,
Como esse Mar Poeta és Imortal!


Maria José Fraqueza




2 comentários:

joaninha disse...

Parabens!
Não me occorre nada mais. PARABENS!
Um beijinho com amizade da isabel

Lice Soares disse...

Bonito!
Parabéns, poeta.