quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

O MEU POEMA DE AMOR


PALAVRAS DE AMOR

As palavras de amor, trago-as comigo
São murmúrios do meu interior
Guardo-as como jóia que bendigo
Num silêncio que não é revelador!

Que dizer em voz alta, não consigo
Embarga-se-me a voz, sai um rumor…
Mas baixinho, quase sempre eu digo
Ao teu ouvido: Eu te amo, meu amor!

Como leve sussurro da minha alma,
Magia duma palavra mais calma…
Proferida no mais terno momento!

O sussurro ganha ritmo musical
Na palavra mais pura, universal
Extraída do mais nobre sentimento!

1 comentário:

Usuale disse...

Soneto do Amor

Este infinito amor de um ano faz
Que é maior do que o tempo e do que tudo
Este amor que é real e que contudo
Eu já não cria que existisse mais.

Este amor que surgiu insuspeitado
E que dentro do drama fez-se em paz
Este amor que é túmulo onde jaz
Meu corpo para sempre sepultado.

Este amor meu é como um rio; um rio
Noturno, interminável e tardio
A deslizar macio pelo ermo...

E que em seu curso sideral me leva
Iluminado de paixão na treva
Para o espaço sem fim de um mar sem termo.


Autor: (Vinícius de Moraes)

Foi retirado pelo site:

http://www.ziipi.com/result?pesquisa=poesia+de+amor